Documentários sobre Tom Jobim

A vida e a obra do maestro Tom Jobim serão contadas em dois documentários que serão lançados no ano que vem. “Um Homem Iluminado” é baseado na biografia homônima, escrita pela irmã do compositor, Helena Jobim. O filme terá roteiro adaptado de Nelson Pereira dos Santos e contará com depoimentos de personalidades que dividiram momentos importantes da carreira com Tom Jobim.

Será na Praia Mole, em Florianópolis, o QG de produção do documentário que ele está realizando sobre a vida e obra de Tom Jobim. A escolha de Florianópolis para cenas do filme foi pela semelhança da cidade, que ainda lembra um pouco o Rio de Janeiro dos anos 60. Além de Floripa, Nelson Pereira dos Santos fará cenas na região serrana de Santa Catarina. Porque a natureza era uma das grandes paixões do imortal poeta e maestro soberano.

A Música de Tom Jobim é o título do segundo documentário inspirado na vida e obra do compositor carioca. Na forma de um musical, a produção irá abordar temáticas como o Rio de Janeiro e as mulheres que fizeram parte da vida do maestro.

Fonte: Sucesso e outra fonte não identificada

Tom, sobre "Garota de Ipanema"…

“Garota de Ipanema também tem uma coisa universal. Um americano disse que o sentimento da “Garota” passa. O sujeito está lá trabalhando, furando a rua, quebrando pedreira, e dá uma espiada. Esse é um sentimento universal. O cara pára de tomar o chope e olha para a garota, não é? É claro que quando a gente fez não pensou em nada disso. A gente só via a garota passar. O Vinicius era casado, eu era casado, a garota que passava por ali era muito jovem. Nós, como homens casados, não podíamos nos aproximar muito. Ela também certamente queria fugir desse assédio, de homens notoriamente casados e com filhos. Não tinha idade para ter liberdade. Nem cantávamos para ela quando passava. Primeiro, porque não podia tocar violão no botequim. O português proibiu logo, porque violão dá briga. Nossa atitude era bem discreta. Inclusive a garota era filha de um general do SNI, mas nós não sabíamos disso. Nós estávamos ali por causa do chope, não é? Eu pedi ao Vinicius uma letra e ele fez a letra. A gente não achou muito boa, ele fez outra letra. A que ficou foi a terceira letra.”

Tom conhece Vinicius…

“Conheci o Vinicius mais ou menos em 53, mais de obas e olás. Em novembro de 1956, começamos a parceria. A verdadeira apresentação ao Vinicius foi feita pelo Lúcio Rangel. Foi aí que começamos o trabalho no “Orfeu da Conceição”. Minha conhecência com Vinicius de Moraes foi uma coisa ligeira. Os amigos do Vinicius era bem mais velhos do que eu, mais velhos que o Vinicius. Nós tínhamos uma diferença de 14 anos, mas o Vinicius tinha amigos mais velhos ainda que ele, como Di Cavalcanti, e tinha aquela turma da idade dele, como o Guimarães Rosa.
O Vinicius fez a letra do “Chega de saudade” do meu lado. Ele não gostava de trabalhar sozinho. Preferia trabalhar ao lado do piano. O Chico preferia que eu mandasse a música para ele. No caso do Vinicius, ele também tocava um violãozinho e fazia músicas muito boas. “Valsa de Eurídice”, “Medo de amar”, “Serenata do adeus”, tudo isso é música e letra de Vinicius. Eu simplesmente orquestrei como está lá nos discos. Botei uma coisinha ou outra, umas cordinhas também. A economia não deixava a gente trabalhar com mais de quatro violinos, às vezes nem isso.
A convivência com o Vinicius foi maravilhosa. Aquela amizade, a gente ria, a gente saía, comia umas coisinhas, comidinha de bêbado, como dizia ele. Uns camarõezinhos e aquele uísque todo. Antes de me conhecer, ele bebia chope no Alcazar. Depois, com a ida para o Itamaraty, foi levando a vida no uísque. Vinicius me levou para aquelas casa bonitas do Cosme Velho, aquelas mulheres bonitas, cheirosas. Ele conhecia a alta sociedade do Rio, esse pessoal tradicional.

Normalmente, a gente começava a compor de tarde, nós estávamos ainda na base do café, mas Vinicius de Moraes não gostava muito de café. Conforme a tarde começava a cair, a gente ia fazendo a música, tomava um cafezinho, os dois fumávamos aqueles cigarros todos, tragando aquela fumaça, no apartamento da Rua Nascimento e Silva,107. Às quatro e meia, começava a cerveja. Vinicius, ao contrário do que esse pessoal todo diz, tomou muito chope. Tenho fotografias dele tomando chope.”